A new way for the Earth to spin

EnglishPortugese

Colonialism and neocolonialism were events which marked the history of humanity in many aspects. Nowadays, in contemporary times, countries colonized by Europe and by the United States still suffer with colonial heritages which run from territorial spheres to even the social, political and cultural ones.

However, although many contemporary thoughts and behaviors were influenced by colonial heritage, at the end of the 90s the Modernity/Coloniality movement was born as an opposing view to this culture which produced these mindsets. So, at the XXI Century, this intellectual group composed by Latin American thinkers revolutionized the Social Sciences by promoting a phenomenon which changes this colonial worldview: the decolonial turn.

Photo by Greg Rosenke on Unsplash.

While traditionally there was an overvaluation of Northern countries thoughts and cultures, the decolonial turn presented itself on a total counterpoint to this custom. So, as on the sentence “nuestro norte es el Sur” – from Spanish, our north is the South – said by the Uruguayan painter Joaquín Torres Garcia on his book Constructive Universalism, the decolonial turn subverts the idea of thinking from the view of the countries responsible for the colonization and proposes the valorization of the thoughts from the global Southern countries.

Thus, experiences of Latin American communities as well as the African, Muslims, Asiatic and Oceanic are brought up, recognized and inserted in many places, being academics or not. Therefore, a form of resistance that comes from the epistemological axis and reverberates on political, cultural and social axis is configured while this decolonial ideals are fostered.

Art by Postcolonial and Decolonial Debates.

While decolonial movement grows, many projects get developed by it in order to spread the thought of decolonization in world. One of them is the initiative Postcolonial and Decolonial Debates, created on 2017 by the Federal University of Rio de Janeiro students. Through blog writings, social media posts, academic meetings, conversations, articles presentations and readings, the project promotes the decolonial thought and the insertion of themes related to it.

Advocating for the spread of decolonial thoughts and culture is an action totally related to the promotion of human dignity since it is a way to grant the preservation of cultures, to give a voice to silenced people and to recognize the importance of diverse social groups by valorizing their members as human persons. According to the World Youth Alliance Certified Training Program (CTP), attitudes which defend and protect the true worth of human beings should be encouraged within society. Thereupon, the decolonial turn shows itself as an extremely necessary way to see the world nowadays.

Published: October 27, 2020

Written by Yuri Rodrigues, World Youth Alliance Regional Intern.

Um novo jeito de a Terra girar

O colonialismo e o neocolonialismo foram eventos que marcaram a história da humanidade em diversos aspectos. Atualmente, na contemporaneidade, países colonizados pela Europa e pelos Estados Unidos ainda sofrem com herenças coloniais as quais variam desde as esferas territoriais até mesmo às esferas sociais, políticas e culturais.

No entanto, apesar de muitos pensamentos e comportamentos contemporâneos terem sido influenciados pela herança colonial, no final da dácada de 90 o movimento Modernidade/Colonialidade foi criado como uma forma de oposição à cultura reprodutora desses pensamentos. Com isso, no Século XXI, esse grupo intelectual formado por pensadores latino-americanos revolucionou as Ciências Sociais ao promover um fenômeno que altera a visão de mundo colonial: o giro decolonial.

Foto por Greg Rosenke no Unsplash.

Enquanto tradicionalmente presenciou-se a hipervalorização do pensamento e da cultura de países do Norte, o giro decolonial se apresenta em contraponto total à esse costume. Assim como a frase “nuestro norte es el Sur” – do espanhol, nosso norte é o Sul – dita pelo pintor uruguaio Joaquín Torres Garcia em seu livro Universalismo Construtivo, o giro decolonial subverte a ideia de se pensar a partir do olhar dos países responsáveis pela colonização e propõe a valorização do pensamento de países do sul global.

Dessa maneira, vivências de comunidades latino-americanas, africanas, muçulmanas, asiáticas e oceânicas são trazidas à tona, reconhecidas e inseridas em diversos ambientes, sejam acadêmicos ou não. Assim, é configurada uma forma de resistência que vem do campo epistemológico e se reverbera em campos políticos, culturais e sociais ao passo em que esses ideais decoloniais são adotados.

Arte por Debates Pós-colonais e Decoloniais.

À medida em que o movimento decolonial cresce, muitos projetos se desenvolvem a partir dele a fim de difundir a decolonização do pensamento no mundo. Um deles é a iniciativa Debates Pós-colonais e Decoloniais, criada em 2017 por alunos da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Através de publicações escritas, postagens em mídias sociais, encontros acadêmicos, rodas de conversa, apresentações de artigos e rodas de leitura, o projeto promove o pensamento decolonial e a inserção dos temas relacionados à ele.

Advogar pela difusão de um pensamento e uma cultura decolonial é uma ação que se relaciona totalmente com a promoção da dignidade humana posto que é uma forma de garantir a preservação de culturas, dar voz aos silenciados e reconhecer a importância de diversos grupos sociais, valorizando seus membros como pessoas humanas. Conforme proposto pelo Programa de Treinamento Certificado (CTP) da World Youth Alliance, atitudes que defendem e protegem o real valor do ser humano devem ser encorajadas dentro da sociedade. Mediante a isso, o giro decolonial se mostra como uma forma de ver o mundo extremamente necessária nos dias atuais.

Publicado: 27 de outubro de 2020

Escrito por Yuri Rodrigues, Estagiário Regional da World Youth Alliance